Sábado, 18 Janeiro 2020 12 +  RSS  Carta ao editor
Sábado, 18 Janeiro 2020 12 +  RSS  Carta ao editor
Trends
14:18, 05 Dezembro 2018

Dieta anti-Alzheimer


Recomendações recomendadas para lidar com esta doença

Um dos males mais devastadores da atualidade é a conhecida doença de Alzheimer ou demência senil, uma doença neurodegenerativa que normalmente se manifesta como a perda de habilidades mentais, como a memória. Não existem dietas milagrosas que possam prevenir o aparecimento desta doença, mas existem certos tipos de padrões alimentares que podem atrasá-la e até diminuí-la em pacientes que já sofrem desta doença.

Os ácidos graxos essenciais

Existem muitos estudos que apontam para a teoria de que a ausência de ácidos graxosno organismo humano, pode ser um dos desencadeadores dessa doença, uma vez que os pacientes com Alzheimer tendem a apresentar baixos níveis nessa questão. Portanto, a ingestão de alimentos ricos nesses ácidos graxos essenciais, como ômega-3 ou ômega-6, poderia ajudar a prevenir o aparecimento da doença e atenuar os sintomas dos pacientes. Desta forma, podemos encontrar no mercado alimentos ricos em ômega-3, como peixe azul, frutos do mar, gema de ovo, coelho, alface, pepino, morango, abacaxi, nozes ou repolho. . Por sua vez, também é relativamente fácil encontrar produtos que contenham ácido ómega-6, como abacate, alho, cenoura ou óleo de gergelim.

A vitamina C, sendo um antioxidante poderoso, tem a capacidade de neutralizar os efeitos negativos de radicais livres À esquerda sobre células do nosso cérebro. Portanto, frutas e legumes, como laranjas, kiwis, limões, toranjas, uvas, aipo, feijão, batata ou ervilhas podem ajudar a retardar o aparecimento dos sintomas de Alzheimer. A vitamina E é outro nutriente importante que contém propriedades antioxidantes e, portanto, pode retardar os efeitos destrutivos da demência senil em células cerebrais. Esta vitamina pode ser encontrada em produtos como azeite, maçãs, aspargos, mangas ou óleo de girassol.

A dieta mediterrânea

A revista científica British Medical Journal publicou em 2008 um estudo sobre 500 mil pessoas, que revelou que a dieta mediterrânea poderia reduzir em até 13% o risco de desenvolver a doença de Alzheimer.

De acordo com esta tese, a dieta tradicional em nossa terra é baseada em uma dieta equilibrada, saudável e rica em frutas, legumes, legumes e cereais. O consumo destes produtos provoca um aumento das gorduras monoinsaturadas – melhoram a taxa de colesterol bom – e uma limitação das gorduras saturadas – favorecem o desenvolvimento do colesterol ruim – outro elemento que se destacou no relatório foi o consumo habitual de peixes ricos em ômega-3, além do uso de óleos vegetais como girassol, colza, soja ou gergelim.


2020 A revista da mulher